20.4.11

Carne de cachorro? Boas novas!!

Em alguns países (maioria asiáticos, especialmente coréia, china e vietnã, mas também na áfrica e europa)  o consumo de carne de cachorros é habitual. A França, no passado, e a Suíça, atualmente, apreciam a carne de cachorro em alguns pratos. Na coréia, destacamos a crueldade durante todo o processo de transporte e de abate dos animais. Segundo alguns apreciadores coreanos, para que a carne do animal fique macia, ele deve ser morto a pauladas e lentamente. Segundo o que testemunhas escrevem em vários sites do ocidente, cães e gatos são transportados em gaiolas apertadas, sem comida, água ou quaisquer cuidados. Os animais são atirados para fora dos caminhões como se fossem fardos de mercadorias. Para o abate são praticadas a eletrocução, golpes de pau e marreta e alguns até fervidos vivos.

    


Segundo a Wikipedia, o consumo de carne de cachorro resulta da tradição cultural, escassez ou racionamento de outras fontes de carne. Comum também é a crença nos benefícios medicinais atribuídos à várias partes do cachorro. Nos países em que é consumida, a carne canina é considerada uma iguaria preparada para ocasiões especiais e festivas.



MAS...boas notícias!

1 - Principal mercado de carne de cachorro da Coréia será fechado!

O principal mercado de carne de cachorro coreano, que fica na cidade de Moran Sungnam, será fechado. Não são todos os coreanos que se alimentam desse tipo de carne, de modo que muitos abandonaram essa dieta. Existem medidas legais em diversos países asiáticos que já classificavam a carne de cachorro como "inadequada para o consumo". O governo coreano pretende fechar o referido mercado e construir no local um grande centro de compras, segundo os planos, sem a presença de comércios de carne de cachorro. O mercado é dividido em duas partes, uma externa ao ar livre que acontece a cada cinco dias e outra interna com lojas com vitrines como açougues que ficam abertas todos os dias apresentando a carne dos animais.

Ficheiro:DogMeat-Hanoi1.jpg


2 - China resgata 500 cães que seriam servidos em restaurantes
Membros da Associação de Proteção dos Animais da China levam cachorros para um abrigo, em Pequim. Cerca de 500 cães foram encontrados em caminhões em uma rodovia. Os animais seriam levados para restaurantes que servem carne de cachorro  Foto: AFP
CLIQUE AQUI

3 - 750 cães foram salvos antes de irem para a panela na Tailândia (14/01/2012)




AGORA: Te pergunto? 



Perdeu, playboy !


2 comentários:

Dr. Márlonn Pícoli disse...

Concordo em parte com o amigo. Fato é que o consumo de carne gera imensos prejuízos: a indústria da carne polui mais do que os automóveis, os animais muitas vezes são abatidos de forma cruel e torpe. Nos humanos, como seres mais adiantados na escala evolutiva terrestre, deveriamos zelar, sim, por nossos "irmãos" animais.

Mas que existe uma distância (evolutiva) grande entre um ruminante e um cão é fato.

Ou seja, choca mais ver cães sendo abatidos, ainda mais da forma como foi mostrado neste post.

Abraços

Tiago Tatton disse...

Grande Márlonn!

Ocorre que, do ponto de vista MORAL, todos seres deveriam ser tratados igualmente. Todos dividimos o mesmo planeta, somos TERRÁQUEOS (já viu o documentário?)

Nós, como humanos, seres com capacidades neuro-cognitivas superiores aos demais , temos ainda mais deveres para zelar com o bem-estar dos demais.

Sofremos quando vemos o cão, mais do que quando vemos um porco esquartejado, pois o porco, em nossa "cultura", não tem estatuto moral. É um "bicho". Como se um porco não sentisse dor ou medo. ELE SENTE! Já viu que um porco "berra" quase como uma criança ao morrer? AS pessoas preferem não saber disso. Só querem o "bifinho" no prato (querem se alienar do processo de matança).

Se você tivesse nascido em determinadas regiões dos países onde a comilança de cães é natural, talvez se chocasse com a morte de um porco, simplesmente porque ela, talvez, não faça parte de sua cultura.

Pense nisso. COMA seres que (Até onde sabemos) não sentem MEDO e DOR, como uma alface, uma cenoura, etc. De preferência, compre ou plante de um lugar onde sabe que a colheita é feita de modo respeitoso e adequado. É díficil? Sim. Impossível? Não.

Eu era um que comia bacon todo dia. Mudei.