25.4.11

Ônibus e atenção plena

Não fosse minha admiração pelo budismo, especialmente como cientista, nos passos de Evan Thompson, percebo esta manhã, indo para o trabalho, que um Haikai me acompanha, diariamente, no ônibus (linha Prado - POA/RS).

Frágil é o silêncio
uma palavra apenas
pode destruí-lo
De origem japonesa, o Haikai (também conhecido como hokku, haiku ou Haicai) é uma breve composição poética, que tem raízes nas profundas relações do homem com a natureza. Esta arte obedece a uma forma estrutural de 17 sílabas ou fonemas, distribuídos em 3 versos. Sua forma é bastante simples. Essa simplicidade, característica marcante da poesia, da arte e da vida japonesa de uma forma geral, não significa pobreza, mas é sinônimo de serenidade, tranqüilidade e despojamento. É o simples repleto de subjetivismo, com rica mensagem e reflexão.Cabe a nós, leitores, inferir o que está nas entrelinhas, nos jogos de palavras.

Entre os haicaístas brasileiros mais famosos encontramos Afrânio Peixoto, Guilherme de Almeida, Haroldo de Campos, Millôr Fernandes e Paulo Leminski, entre outros.

 A história do Haikai se confunde, em parte, com a do zen budismo, especialmente na vida de Matsuo Bashō.

BASHÔ


Segue o link de uma dissertação de mestrado sobre Basho. 


2 comentários:

Kátia Cornélius disse...

Tiago

Fico feliz que o Haikai que compus seja teu companheiro silencioso capaz de, talvez, acessar tua prórpia fragilidade.

Kátia Cornélius

Tiago Tatton disse...

que honra! Obrigado pela visita e parabéns pela composição